Skip to content

Astarte
(“Astaroth” nos Grimórios)

Ela era conhecida pelos cananeus como Astarte, aos sumérios ela era conhecida como Inanna, para os babilônios, ela era conhecida como Ishtar, para os assírios e acádios, Ashtart, Astarote, Asherah e Astoreth, para os egípcios, Ísis, Ashet e Aset, para os fenícios, ela era conhecida como Tanit-Ashtart e Astarote, para os gregos, Afrodite. Seu nome ugarítico era Anat.

  • Posição Zodiacal: 10-20 graus de Capricórnio
  • Dias: 31 de dezembro a 9 de janeiro
  • Carta de Tarot: 3 de Ouros (Azazel disse-me que Ás de Copas)
  • Planeta: Vênus
  • Cor da vela: marrom ou verde
  • Metal: cobre
  • Elemento da Terra
  • Posição: Grã-Duquesa das Regiões a Oeste do Inferno; Princesa Coroada
  • Astaroth é uma conselheira e orientadora para ambos Demônios e seres humanos. Ela trata principalmente de assuntos humanos
  • Astaroth governa 40 legiões de espíritos e é uma Demônia do dia
  • Astaroth também é a tesoureira do Inferno

Astaroth é uma deusa muito antiga. Ela esteve com a humanidade, assim como Satan e Belzebu, desde o início. Astaroth é filha de Satan, ela não queria que se soubesse disso até recentemente (outubro de 2016). Ela sempre foi muito popular, muito amada e reverenciada em locais onde foi adorada. Pelo fato de que ela esteve conosco desde o início, ela foi conhecida por vários nomes diferentes e foi a Deusa-Chefe em diversas áreas e culturas. Ela tem sido conhecida como a Deusa da fertilidade, do amor e da guerra.

“Astaroth aparece com uma Aura imensa, é de uma cor azul suave, não suave em termos de força, mas em termos de beleza. A energia de Astaroth é revigorante e reconfortante, é verdadeiramente bela em todos os sentidos. Ela tem longos cabelo dourados, ela é bastante alta e estava cercada por um vibrante ouro-branco. Eu sinto ela mais quando eu faço a conexão durante a invocação dos Quatro Deus Regentes de Duat. Ela está sempre lá para me guiar quando eu me sinto perdido ou estou lutando. Sua voz é muito poderosa, Astaroth-sama é muito carinhosa, mas ela é bem clara e concisa quando está me orientando. Ela me ajuda muito e eu sou muito grato a ela por tudo.
Salve Astaroth-sama!”

-Sumo Sacerdote Vovim Baghie


Sigilo de Astaroth

Nome de Inanna em cuneiforme

Símbolos de Astaroth derivados do Ankh egípcio

Muro de Inanna em Uruk

Os grupos de três pontos nas pontas da estrela em seu sigilo são extremamente antigos e denotam sua alta posição espiritual. Como a Deusa suméria “Inanna”, ela era conhecida como uma poderosa guerreira e seu animal sagrado era o leão. Abaixo estão imagens do leões que guardavam seu templo em Nimrud.

Sua cidade sagrada foi Uruk, uma das mais antigas cidades da Suméria, onde ela teve seu templo, na foto inferior direito acima são as ruínas. Sob seu governo, o povo da Suméria e suas comunidades prosperaram significativamente. Ela tinha santuários e templos em muitas cidades do Antigo Oriente Médio.

Seu título sumério “Rainha do Céu”, foi roubado pelo judeo-cristianismo e utilizado para a sua fictícia “Virgem Maria”.

Astaroth também era a Deusa babilônica Ishtar. Escrituras babilônicas a chamavam de “Luz do Mundo”, “Deusa das Deusas” e “Doadora de Força”.

A “Porta de Ishtar”, construída há aproximadamente 575 a.C era a entrada principal para a Babilônia. Foi a oitavo de das oito portas da cidade. O rei Nabucodonosor II da Babilônia dedicou o Portão para Ishtar. Foi um dos monumentos mais impressionantes do antigo Oriente Próximo. A Porta de Ishtar foi decorada com dragões, touros e leões. Junto com Ea (Satan) e Enlil (Belzebu), ela acabou nos Grimórios quando o judeo-cristianismo entrou em cena como uma dos principais Príncipes Coroados do Inferno. Estes três foram as divindades mais populares e populares no Oriente Médio. Suas reputações foram destruídas, foram cruelmente caluniados, blasfemados e demonizados, rotulados como “malignos”.
“Apesar de Sidon ser respeitada, não poderia ser esquecido que sua deusa era Ashtart, um nome que o escriba israelita escreveu com as cinco consoantes strt, e vocalizadas pelas vogais da palavra hebraica para “vergonha”, fazendo com que a deusa sidônica aparecesse na forma bastarda Astoreth.”
-Trecho de “Recovering Sarepta, A Phoenecian City”, por James B. Pritchard, 1978

“Das várias grafias do nome Astarte, encontra-se as letras Tel Amara. A forma hebraica ‘Astoreth’ surgiu quando a escola rabínica dos massoretas no século VI decidiu adotar um sistema convencional para compensar a falta de vogais no hebraico escrito e ao mesmo tempo para inserir os nomes das divindades estrangeiras as vogais da palavra ‘boshet’, que significa abominação.”
-Trecho de “Who’s Who Non-Classical Mythology”, por Egerton Sykes, 1993

Acima estão as ruínas do Templo de Ísis, originalmente na ilha de Philae, teve de ser transferida para a Ilha Agilqiyya (acima) durante a reconstrução da barragem de Assuão para salvá-la da inundação.


Acima estão as ruínas do Templo de Ísis, originalmente na ilha de Philae, teve de ser transferida para a Ilha Agilqiyya (acima) durante a reconstrução da barragem de Assuão para salvá-la da inundação.

Astaroth verdadeiramente responde sobre o passado, presente e futuro.
Ela descobre todos os segredos e é uma excelente professora de ciências liberais.
Ela faz a pessoa ter sonhos proféticos e visões sobre o futuro e dá uma visão sobre o desconhecido. Ela é também conselheira aos seres humanos que estão próximos de Satan e trabalhando ativamente para ele.
Ela obtém a amizade dos que estão no poder e representa o luxo e facilidade.

Páscoa (originalmente conhecida como “Ashtar”) foi roubada dela pelos judeo-cristianismo.

Sumo Sacerdotisa Maxine (minha experiência com Astaroth):
“Astaroth é muito bonita com o cabelo loiro claro. Apesar de alta, ela é delicadamente construída. As cores de Astaroth são o vermelho e azul. Ela às vezes aparece com asas, estas têm traços vermelhos e azuis neles. Ela muitas vezes visita a mim e o clero do Joy of Satan por conta própria e é uma amiga e guia para nós.”

Obra de arte feita por Marcos Macias (clique para ampliar):


卐 卐 卐 卐 卐 卐 卐 卐 卐 卐 卐 卐 卐 卐 卐 卐 卐 卐 卐 卐 卐 卐 卐 卐 卐 卐 卐 卐 卐 卐 卐 卐 卐 卐 卐 卐 卐 卐 卐 卐 卐 卐 卐 卐 卐 卐 卐 卐 卐 卐 卐 卐 卐 卐 卐


Astarte: Informação Hierática

Os conhecimentos apresentados nesta página são avançados e contém informações para quem pretende conhecer Lady Astarte mais a fundo. Há também o conteúdo de conhecimento hierático [profundamente espiritual], como os Nomes Divinos de Astarte.

No que diz respeito a informações adicionais sobre Nomes Divinos, estes são Nomes que são os Nomes Divinos numerologicamente corretos para usar para Convocação e Invocação:

Nomes Divinos:

  • Inanna,
  • Astarte [lê-se “Astarti”]*
  • IA-ASTARHT-Y [lê-se “Ia-Astarti”]
  • Afrodite [AFRODÍTI]
  • Isis / Isida [I-SSI-DYA]
Símbolos Divinos:

  • Estrela de oito pontas
  • Disco lunar
  • Chifres
  • Cabeça de touro
  • A yoni
  • O ovo
  • Cabeça de leão
  • Campos verdes, folhas e pastagens
Números e atributos divinos:

  • Números: 5, 55, 10, 8, 51 *
  • Planeta: Vênus
  • Runas [nesta ordem de importância]: Fehu, Gebo, Gera, Uruz.
  • Signo de Poder do Zodíaco: Touro / Áries
  • Símbolos animais divinos: leão, touro, coelho, cisne.
Forças Divinas:

  • Nascimento
  • União
  • Beleza
  • Crescimento
  • Geração
  • Procriação
  • Harmonia
Títulos importantes:

  • Rainha do Céu
  • Rainha das Estrelas
  • Mãe dos Deuses e dos Homens
  • Santa Mãe
  • Mãe Terra
  • A Dama
  • Rainha de Aldebaran

Salmo de Astarte (a ser adicionado em breve):

Honorary/Invocatory
Psalm to Astarte

Inanna [suméria], Afrodite/Artemis/Deméter [grego antigo], Diana/Vênus/Ceres [romana], Freya [norueguesa/germânica], Astarte/Ashtart [caanita], Ísis/Aset/Ashet [egípcio], Ishtar [assírio ], Tanit-Ashtart ou Ashtaroth [fenício], Atargatis [siríaco], Usash [Rig Veda]

Outros nomes:

[*] Não há problema em se referir casualmente a ela como Astaroth, ou mesmo como Vênus, ou Ísis. No entanto, os Nomes Hieráticos estão acima e darão o melhor contato para trabalhos espirituais, como invocação.

Inanna, a Grande Deusa, encarna as formas mais elevadas de poder espiritual, mas também numerosos dos ideais universais mais importantes. Astarte é uma divindade tão proeminente e poderosa, que foi adorada por todas as religiões pagãs antigas sob muitos nomes, pseudônimos e identidades diferentes.

Naturalmente, ela é a mais difamada divindade pagã contra a qual o inimigo está constantemente aterrorizado e intimidado. Fontes judaicas perverteram seu Nome Divino, corrompendo-o para significar “Astoreth” e chamando-a por uma terminologia degradante. A difamação contra ela é grande, interminável e só pode ser comparada a Satanás e Baalzebul, ou seu irmão gêmeo Azazel. Na Suméria, eles também eram irmão e irmã, com Azazel sendo Shammash/Utu e ela sendo sua irmã Inanna. Ambos receberam extensas autoridades de Satanás e Enlil, para guiar a humanidade em direção à iluminação.

Vênus

Isis

Afrodite

Astarte

Inanna

Astarte é mencionado na Bíblia inimiga como uma divindade “amaldiçoada” que era de renome mundial e, claro, foi caluniada e difamada infinitamente pelos judeus. Os judeus são as únicas pessoas na terra que caluniaram a Deusa e tudo o que ela representa. Não seria um eufemismo dizer que Astarte foi a Deusa Feminina mais amada que já existiu na história da humanidade, com muitas Deusas desempenhando um papel imortal, mas ela permanecendo claramente na vanguarda.

Um dos maiores ataques que Astarte recebeu foi sua mera equiparação com a beleza externa, ou aspectos da prostituição, todos enraizados em ataques rabínicos lançados contra a Grande Deusa. Essa calúnia é perpetuada na Bíblia, mas também nas obras rabínicas posteriores. Astarte enfatizou fortemente para mim, ao escrever esta página, para explicar que seu simbolismo é de Amor em todos os seus níveis, ao mesmo tempo que cobre sua personalidade completa. O amor tem muitos níveis e não é apenas sexual, como comumente promovido pelo inimigo ou por pessoas que se desencaminham por informações incompletas.

A maior verdade factual por trás do maior simbolismo de Astarte, é que ela é a Deusa do amor que une a Alma, um profundo poder espiritual que domina o universo. Incluída nisso, Inanna/Astarte/Afrodite também rege o amor em níveis como o sexual ou reprodutivo. Da mesma forma, Ela expressou que as pessoas precisam ser lembradas de que o amor é, exceto o carnal e o sexual, o amor que temos pela família, pela tradição, uns pelos outros, mas também o mais forte vínculo de amor que se forma entre a mãe e os filhos. Nenhum ataque judeu poderia alcançar sua glória. Ela ainda é amada em todo o mundo, apreciada e respeitada.

Todos os seus poderes, conforme explicado nesta página, são apenas gotas no mar eterno do poder e do conhecimento de Astarte. A bíblia está repleta dessas referências grotescas que rebaixam a Grande Deusa.

Até o inimigo sabe por completo que estes não representam a verdadeira persona de Astarte, que será dada nesta página, mas faz parte de sua propaganda contra a Maior Deusa da Humanidade.

“No hebraico bíblico, o substantivo astarot, derivado do nome divino Ashtart/Astarte, significa “aumento,progênie”, uma indicação das funções de fertilidade de Astarte. Além disso, no Egipto, Astarte é conhecida como a Deusa da Fertilidade, já que ela, junto com Anath, é chamada de uma das ‘grandes deusas que concebem, mas não dão à luz’.

Embora não sejam tão conhecidas quanto suas características de fertilidade, Astarte também tem associações com a guerra, mostradas em várias representações egípcias nas quais ela carrega armas de guerra e em descrições em textos egípcios e ugaríticos que a caracterizam como uma deusa guerreira. […]

Ela é rotulada de ‘senhora do céu’ em vários textos egípcios do segundo milênio AEC, e na inscrição de Eshmunazor do primeiro milênio AEC, ela é chamada de ‘Astarte dos céus mais elevados’. Na fenícia Sidon, a cidade mais associada ao culto da deusa (ver Juízes 10:6 ; 1 Rs 11: 5, 33; 2 Rs 23:13), seu recinto sagrado é chamado de ‘céus mais elevados’. Fontes fenícias também relatam a identificação de Astarte com Vênus, a estrela da manhã e da tarde. […] Na Bíblia Hebraica, a adoração de Astarte é repetidamente condenada […]” [ 1 ]

O nome Astarte, é etimologicamente próximo da palavra grega antiga “Astron” que significa “estrela” [ 2 ], uma alusão tanto à beleza estrelada da própria Astarte, mas também ao facto de ela ter sido chamada de muitos epítetos como “Rainha do Céu”. A beleza de Astarte, interna e externa, tem sido incompreensível nas Eras.

Palavras como Astro-logia são derivadas de seu Nome Divino. Um epíteto comum dado a muitos Deuses, relacionado ao nome de Astarte, era “Astroos ou Astroa” [ 3 ], que significa “Ele ou Ela das Estrelas”. A alusão à descendência da humanidade e à chegada dos Deuses das Estrelas é um assunto bem conhecido em todas as antigas religiões pagãs.

Ainda hoje em inglês, inconscientemente chamamos mulheres e homens bonitos de profunda beleza de “estrela”, para afirmar essa qualidade estrelada de uma pessoa. A palavra “Astreos”, que significa “Das Estrelas”, é um epíteto comum do grego antigo para pessoas que têm qualidades estreladas ou supremas, mas também é usado para Deuses com muita frequência. A Estátua da Liberdade, que ostenta a coroa de uma estrela em Nova York, é um símbolo da influência de Astarte nos Estados Unidos. A própria estátua foi inspirada na arte egípcia. [ 4 ]

A poderosa conexão de Astarte com Satan é uma realidade evidente. Um dos epítetos importantes de Satanás, “EOSFOROS”, a forma do grego antigo para o latim “Lúcifer”, significa “Portador da Luz”. A primeira parte desta palavra, a palavra Eos, é uma palavra-código para Astarte. Eos é uma Deusa da mitologia grega antiga que rege a luz do amanhecer, a suave luz espiritual que é um momento perfeito para os seres humanos meditarem. A última parte da palavra, “Foros” significa se traduz como “portador” [ 5 ] e simboliza a luz suave do amanhecer. [ 6 ]

Lúcifer na Bíblia, pai de Astarte e Azazel, era chamado de “O filho da manhã/do amanhecer”. O mesmo foi o título de Eos.

Estátua da Liberdade e Eostre/Ostara, Deusa da Primavera

Do grego antigo Eos, em uma interpretação linguística, também temos uma ligação direta com a Deusa do povo germânico “Eostre”, cujo nome reconstruído aponta para o nome “Austro” que é, como expliquei anteriormente, a fonte do nome para o nosso amado Astarte em grego antigo. Seu nome como Eostre ou Ostara, revela sua forte associação e amor a seu Pai Satan Lúcifer, mas também, sua forte relação com Azazel/Apolo e suas qualidades de renascimento trazendo luz e vida.

Sua estação é a primavera, a estação através da qual a natureza se regenera e uma nova vida surge. A celebração roubada da Páscoa, é até mesmo em nome roubado da Grande Deusa. Uma manifestação ainda mais óbvia e popular de seu Nome, é o país chamado “Áustria”, que significaria “Terra dos Astra” ou “Estrelas”. Astarte é uma Deusa da natureza, algo bem conhecido em toda a sua história, mas também admitido pelo inimigo. Árvores sagradas, pastagens verdes, a beleza da natureza, animais e qualquer coisa que seja uma bênção de beleza neste planeta é governada por Ela. Ela é uma zeladora da natureza e, por meio de seu poder, é uma sustentadora da vida e da existência, humana e animal. Ela é a Deusa do desabrochar da vida, um símbolo de eterna recriação criativa, fertilidade, nascimento e, finalmente, renascimento após a morte.

Eos, fortemente correlacionado com Selena [Deusa da Lua], é conhecido na mitologia grega antiga por ser irmã gêmea do Sol – Helios em grego – da mesma forma que Ártemis é governante da Lua e é a irmã gêmea de Apolo, a poder manifesto do Sol. Existem inúmeras histórias de Astarte concedendo a imortalidade aos seres humanos, como a concessão da Juventude Eterna de Selene a um humano chamado Endymeon. [7]

Assim como a primavera chega após a morte da natureza, a Divindade pode chegar para os humanos que a buscam após um período de desolação e ignorância. Astarte supervisiona essa transformação.

Retratado aqui está um de seus templos na Grécia Antiga [Templo de Artemis em Éfeso]. O Templo foi uma das Sete Maravilhas do Mundo Antigo e um dos mais magníficos templos já construídos. Nas pinturas misteriosas do templo, as Amazonas e sua rainha Otrera eram ilustradas, enquanto o templo estava repleto de alegorias espirituais. Em uma dessas alegorias, Astarte assume a forma de um aspecto guerreiro novamente como parte da alegoria mitológica.

Um grego antigo chamado Antípatro é citado da menção de seu templo em sua obra Antologia Grega: “Eu coloquei os olhos na parede da elevada Babilônia, na qual há uma estrada para carruagens, e a estátua de Zeus perto de Alfeu, e a jardins suspensos e o colosso do Sol e o enorme trabalho das pirâmides altas e a vasta tumba de Mausolo; mas quando vi a casa de Artemis que subia até as nuvens, aquelas outras maravilhas perderam seu brilho, e eu disse , Lo, além do Olimpo, o Sol nunca olhou para algo tão grandioso.”


Aspectos de Astarte


Ela abrange tudo o que é feminino, as muitas faces dos poderes femininos que operam tanto em nossa espécie quanto no cosmos. A sabedoria de seus mistérios é profunda, e nos mistérios da Grécia Antiga, mas também em muitas mitologias, ela está “Dividida” em muitos “Aspectos”. A razão dessas divisões é por causa de quão complexa e avançada ela é.

O aspecto “Afrodite” ou amor/atração – Astarte como encarnação da beleza e fertilidade máximas

Inanna, via de regra, representa o poder de Vênus, o poder do Amor. Nesta representação, ela representa o mundo externo, a beleza observável, a beleza da forma, a beleza externa e a medida. Não existe nenhuma Deusa tão bonita quanto ela. No entanto, essa conotação oculta muitos significados, fora os significados de pura beleza externa.

Nesta forma de poder da beleza, ela é representada por Afrodite. Falsamente, e devido à queda da consciência da humanidade, Astarte foi creditada principalmente como uma Deusa da beleza sexual externa. A atração sexual é muito importante, está relacionada ao impulso procriativo e é necessária para a existência humana. Indo mais alto, Vênus também governa o amor em sua totalidade, dos aspectos inferiores aos superiores.

No Simpósio de Platão, Afrodite neste aspecto é dividida em dois níveis: A “Afrodite Uraniana” ou Afrodite Celestial, e a “Pandemos Afrodite” ou Afrodite “Terrestre” e “do Povo”. Cada uma representa uma face diferente da Deusa, uma voltada para a procriação carnal, enquanto a outra representa os poderes superiores da noção de amor.

A beleza, embora em sua forma externa seja indiscutivelmente o que faz a vida valer a pena ser vivida na arte e na cultura, é também uma manifestação de outras noções mais profundas, como harmonia. Para Platão e outros Filósofos Antigos, a manifestação da beleza é também a manifestação de ideais sublimes, como balanceamento, harmonia, equilíbrio e perfeição. Platão e Sócrates expandiram os numerosos significados da palavra “Belo” e as noções filosóficas dadas do termo, que lidam com o mundo das idéias [reino astral] e lidam com a confusão do universo. [8]

A importância abrangente da noção de amor e todas as suas manifestações, cai sob seu poder associado ao Planeta Vênus. Conforme explicado no início desta página, Afrodite e a regra do sentimento do Amor estão mostrando um procedimento espiritual oculto, o da união da Alma através da Alquimia Espiritual.

Platão escreve em Fedro sobre a distinção dos dois tipos de amor: o amor carnal [chamado de Eros, do qual se fez a palavra “erótico” hoje] e o amor espiritual [união da alma]. Esses tipos de amor são fundamentais para a sobrevivência e a procriação humana, mas, ao mesmo tempo, a mesma força espiritual leva à iluminação. [9]

Na mitologia espiritual, Astarte tem muitos amantes, incluindo os criadores das primeiras civilizações humanas como Dumuzid, ou o famoso mito de Afrodite e Adônis. Estes são apenas para citar alguns. Por trás dessas mitologias, reside uma parábola muito importante, que explica que o poder da Deusa atua diretamente para ajudar a humanidade e meros mortais. O amor idílico construído entre os dois não está focado no aspecto erótico, mas no aspecto da união da alma. A descida de Inanna ao submundo para salvar o herói / deus mítico Dumuzid é sinônimo da alegoria espiritual de Deméter e da descida de Perséfone ao submundo. [10]

A história de Adônis e Afrodite, independentemente, ficou para a história como uma das mais belas histórias de amor que já existiram.

Da mesma forma, para o povo germânico, Astarte representa tudo o que está declarado nesta página sob seu nome como Freya, incluindo o amor e a procriação. A Enciclopédia Britânica explica mais: “ Como a deusa egípcia Ísis e a Afrodite grega, Freyja viajou pelo mundo em busca de um marido perdido e chorando lágrimas de ouro ”. [11]

No entanto, isso nos leva automaticamente à próxima etapa na análise da Deusa das Deusas.

O aspecto “Artemis” ou Virgem – Justiça e Poder Espiritual

Como Artemis, o símbolo de poder de Astarte é o Disco Lunar, mas também sua destreza poderosa, sendo a Irmã Gêmea de Apolo [Azazel e Astarte são gêmeos]. Artemis vive na floresta, no deserto, e governa a Lua e seus Ciclos. Nesse aspecto, seu governo da Lua é novamente representativo dos poderes femininos da Lua.

Como Azazel, ela é chamada de “Brilhante” [Phoebia], uma conotação para sua posição espiritual e força. Outro poder comum de Artemis, é que Artemis pode exigir uma punição extraordinária por violação de éditos espirituais dos Deuses, como Apolo. Quando Astarte quer punir, uma palavra descreve o que essas punições implicam: “Aterrorizante”. [12]

Os antigos espartanos também adoravam Vênus em um aspecto guerreiro, e o mesmo acontece com os babilônios e os assírios com Inanna, pois Astarte é uma Deusa Guerreira e uma Deusa da Fertilidade para eles.

A antiga máquina de guerra espartana, conhecida por todas as pessoas do mundo e até mesmo admirada mundialmente hoje, tinha Afrodite como sua principal Deusa na cidade-estado. Por baixo disso, ela foi chamada de “Afrodite Areia” [Arya]. Esparta era conhecida por tratar as mulheres como pupilas e olhos do mundo espartano. Ao mesmo tempo, as mulheres espartanas retribuíram esse comportamento sendo merecedoras de elogios e criando uma nova vida. [13]

A natureza da castidade ou virgindade no símbolo de Artemis é porque a Lua ou a parte interna da alma permanece virgem e inadulterada. É a parte da alma que carregamos ao longo de cada vida, que define quem somos. Adulterado e virgem não se refere apenas às relações sexuais, mas também a como manter a alma e o espírito puros do mal externo e das influências negativas.

Nesse sentido, a capacidade de lutar contra a injustiça e a negatividade torna-se bastante necessária. Artemis é uma Deusa de sabedoria sublime e destreza destrutiva, e Artemis representa os aspectos diretos da guerra que lidam com a destruição direta, não diferente de um aspecto de Afrodite como explicado acima.

Artemis, fora ser uma caçadora, também é a protetora da natureza, da vida selvagem, e foi a Deusa mais venerada na Grécia Antiga pelo povo rural. Como Azazel/Apolo, ela protege as crianças e os jovens e inocentes, enquanto ela fere com morte e doença aqueles que destroem o que é sagrado. Ela foi chamada de “Senhora de todos os animais” como uma forma de título honorário. [14]

Deve-se ter em mente que os animais e a vida animal são sagrados no Satanismo Espiritual, e embora Artemis seja um símbolo de matar gado para consumo ou caça, ela também estabelece o equilíbrio com o ambiente da vida, algo que a humanidade deve ter um objetivo a alcançar. Artemis é a protetora da vida selvagem.

Isis ou Demeter – A Mãe da Terra, Deuses e Aspecto do Mundo

Deméter é a Deusa da Colheita, que trata da fertilidade e da criação da Mãe Terra. A produção de alimentos, as leis da vida e da morte, mas também os profundos mistérios ocultos das Sacerdotisas da Grécia Antiga e os Mistérios de Elêusen, foram criados sob os ensinamentos de Astarte. Esses foram alguns dos mistérios mais secretos do Mundo Antigo, onde os iniciados aprenderam siddhis e receberam a iluminação. [15]

Em seu aspecto de Deméter, Astarte é a mais apócrifa e secreta de seus aspectos. Na representação da esquerda, temos dois significados ocultos escondidos nesta pintura. Uma palavra escreve “ΕΝΙΑΥΤΟΣ”, que significa “Eu Interior” ou o “Eu Verdadeiro”. Por outro lado, temos “ΕΛΕΥΣΙΣ” que significa “A Vinda” ou “Tornar-se”. Deméter aqui mostra ao discípulo os segredos para trazer o nascimento do Eu superior, ou o “Segundo Nascimento”.

A mesma história se repete em sua identidade como Danu, no folclore e mitologia irlandesa. Como Danu, ela precede as Tuatha De Danann. Os Tuatha De Danann são uma história do folclore irlandês sobre os Deuses e as pessoas que existiam na Irlanda antes irlandeses atuais viverem lá, que exibiam poderes extremos da mente e da alma, mas eram mais versados ​​nas artes espirituais dos Deuses. Dana [Astarte] é mostrada aqui também como sua mãe. [16]

A profundidade de seus mistérios é extensa, e a importância desses mistérios foi a “Descida ao Mundo Inferior”, com a qual a alegoria mais famosa da Deusa Deméter está relacionada. O submundo é um símbolo do plano astral e dos reinos dos mortos, mas também da reconexão da alma com os poderes espirituais.

Neste mito, a filha de Deméter, Perséfone, desce ao submundo para finalmente ser salva e trazida para sua mãe novamente. O Mito da “Descida”, também famoso na história suméria e ugarítica de Astarte. Esta história foi chamada de “Descida de Astarte ao Mundo Inferior”, e é a restauração do Poder da Serpente Caída [Poder da Fertilidade] e reunindo este poder com a Mãe Divina ou Deméter [a cabeça do praticante espiritual].

Quando este processo espiritual é concluído, ocorre a “Primavera”, a palavra grega sendo “Aneksis” que significa “Abertura”, e a pessoa finalmente abre suas faculdades espirituais que permitem a pessoa ir e voltar para o “Reino dos Mortos” ou o Plano Astral e o mundo físico. A primavera e o desabrochar da alma acontecem, já que os Chakras também são comumente descritos em todas as Tradições Pagãs como flores, e então a pessoa finalmente desabrocha e retorna à “Mãe Divina” ou Deméter.

Inconscientemente, a partir do nome Demeter, que hoje em inglês fala-se “The Mother” (A Mãe), que fica perto da palavra De-Mater em sua pronúncia. No alemão moderno, “A Mãe” é escrito “Die Mutter”, que é outra alteração do último aspecto da palavra Demeter. A sua associação à Terra, à Colheita, à família e ao agregado familiar, mas também à terra e ao solo em si, fez com que com o tempo fosse intitulada “Mãe Terra”. Como Ísis, ela é uma figura maternal que fornece aos seres humanos tudo o que eles precisam para a vida.

Em seu pseudônimo egípcio Ísis, Ela é retratada como sendo a Mãe de “Hórus o Salvador”, de onde “Santa Maria, a Mãe de Jesus o Salvador” foi roubada. Isso constitui uma das maiores blasfêmias e corrupções contra a Deusa. [17]

Símbolos Divinos de Astarte: O Poder do Sigilo de Astarte

A estrela como um símbolo oculto é claramente ilustrada no sigilo de Astarte. Este símbolo também é chamado de “Símbolo de perfeição pitagórica”, também frequentemente associado ao próprio Satanás, representa a unidade dos 5 elementos no ser humano.

Os elementos água, fogo, ar e terra representam o corpo e as funções inferiores, enquanto o Éter ou o 5º elemento representa a substância mais sutil da alma e conector de todos os outros elementos.

O poder deste símbolo é muito profundo, universal e é uma das formas geométricas sagradas mais importantes. O facto de que um pentagrama pode ficar indefinidamente dentro de outro pentagrama representa a infinidade da energia criativa do cosmos, representada nos seres humanos como o impulso de procriação e vida com cada geração subsequente.

Seu sigilo representa um caso em que as noções alquímicas espirituais dentro de um sigilo são superabundantes. Não seria um eufemismo dizer que a maioria, senão todos os mistérios da alma humana são explicados em seu sigilo.

-Sumo Sacerdote Hooded Cobra 666


Fontes/Bibliografia:

1. Cuidado, pois esta é uma fonte inimiga, mas apenas revela claramente que os judeus sabem tudo que os não judeus não sabem: Astarte é o Maior e o único Bem – tudo de ruim por aqui é mera calúnia criada pelos judeus. “Jewish Women’s Archive: Astarte: Bible” – https://jwa.org/encyclopedia/article/astarte-bible

2. Dicionário de grego antigo, palavra “Astro”, J. Stamatakos

3. Ibid 2, palavra “Astroos”.

4. Ibid 2, “Feron”.

5. Encyclopedia of Greek and Roman Mythology, Luke Roman e Monica Roman

6. Ibid 5, p.343

7. Ibid 5, seção “Eos”.

8. Para saber mais sobre este tópico, consulte o Simpósio de Platão e Sócrate [um texto muito complexo, profundamente filosófico, requer uma análise minuciosa para ser totalmente compreendido].

9. Além disso, o Fedro de Platão explica a noção de amor filosófico. Esteja ciente de que devido às diferenças culturais e à profanação de significados [principalmente causados ​​pela igreja ou por analistas estúpidos que nada sabem da alquimia espiritual], os significados foram bastante pervertidos. O texto em si ainda é muito valioso de qualquer maneira.

10. “Descent Into the Underworld Myth” – O mais famoso mito oculto dos povos antigos – Para referência: https://en.wikipedia.org/wiki/Inanna#Descent_into_the_underworld

11. Enciclopédia Britânica, seção “Freyja”

12. Ibid 5, seção “Artemis”

13. Para leitura adicional: “Acredita-se que a representação guerreira de Afrodite pertence aos seus primeiros acólitos e cultos em Chipre e Cythera, onde houve uma forte influência oriental durante o Período de Orientação. [3] Esta representação pode traçar a descendência de Afrodite de deusas mais antigas do Oriente Médio, como a suméria Inanna, a Mesopotâmia Ishtar e a fenícia Astarte. [4] [5] Em Chipre, Afrodite também foi referida pelo epíteto ‘Afrodite Encheios’ (Afrodite com uma lança), e foi sugerido que o culto foi trazido de Chipre para Esparta. [3] Ela também era conhecida por este nome no Areópago e em Corinto. [6] ”- Da página da Wikipedia de Afrodite Areia

14. Ibid 5, seção “Artemis”

15. The Routledge Handbook of Greek Mythology, “Como Hades sequestrou Perséfone como sua noiva, mas foi finalmente obrigado a compartilhá-la com sua mãe”, página 125

16. Enciclopédia Britânica Online: “Tuatha De Danann” e “Deusa Dana”

17. Christ in Egypt: The Horus-Jesus Connection, D. M. Murdock

*Do Pai Satan diretamente para o Sumo Sacerdote Hooded Cobra.

VOLTAR PARA DEUSES DE ALTO RANQUE E OS PRÍNCIPES COROADOS DO INFERNO

VOLTAR PARA TUDO SOBRE OS DEUSES