Skip to content

BERITH, também conhecido como BAAL-BERITH, BAAL-BERETH, BAAL-TAMAR, BEAL, BOFI e BOLFRY

  • Posição zodiacal: 15-19 graus de Leão (1-10 de capricórnio*)
  • Dias 8 a 12 de agosto (22 a 30 de dezembro*)
  • Carta do Tarô: 6 de Paus (2 de Ouros*)
  • Cor da vela: Roxa
  • Planta: Heliotrópio
  • Planeta: Júpiter (Vénus*)
  • Metal: Estanho (Cobre*)
  • Elemento: Fogo (Terra*)
  • Ranque: Duque
  • Berith é um Demónio do dia e rege 26 legiões de espíritos

*Informações dadas por Thoth

“Baal” significa “Senhor”. “Baal-Berith” é o “Senhor Berith”. Ele prediz o futuro, discerne o passado e pode transformar metais em ouro. Ele ajuda a se elevar a lugares altos e receber honras. Ele fala com uma voz muito clara e mansa.
SIGILO

Baal-Bereth é o Pai da temporada de Yule e da Árvore de Yule (natal). “A árvore de natal, hoje tão comum entre nós, foi igualmente comum na Roma pagã e no Egipto pagão. No Egipto, aquela árvore era a palmeira; em Roma era o abeto, a palmeira que denota o Messias Pagão, como Baal Tamar, o pinheiro se referindo a ele como Baal-Berith.” ¹ “A árvore de natal, como já foi dito, era em Roma geralmente uma árvore diferente, mesmo até mesmo o abeto, mas a mesma ideia que estava implícita na palmeira foi implicada no abeto de natal, que secretamente simbolizava o Deus recém-nascido como Baal-Berith, ‘Senhor da Aliança’, e assim prefigurado a perpetuidade e a natureza eterna do seu poder, não que depois de ter caído diante de seus inimigos, ele tenha subido triunfante sobre todos eles.” ²

No Egipto, eles adoravam Nimrod como uma palmeira, referindo-se a ele como o Messias “Baal-Tamar”. Entre os mais antigos Baals, ele era conhecido como Baal-Bereth, “Senhor do Abeto”. Ele evoluiu para Baal-Berith, “Senhor da Aliança”. Na Roma Antiga, onde eles também adoraram a árvore de abeto, eles o chamavam de “Baal-Berith”.

O dia 25 de dezembro era observado em Roma como o dia em que o Deus vitorioso reapareceu na Terra e era realizada no Natalis invicti solis, “O nascimento do Sol invicto”. Agora, a tora de Yule representa o Nimrod morto, conhecido como o Deus-Sol, mas cortado por seus inimigos. A árvore de natal representa Nimrod, o Deus morto renascido. A antiga prática de beijar sob o ramo de visco, mais comum para os druidas, foi derivado da Babilónia e era uma representação do Messias, “O homem do ramo”. O visco era considerado ramo de uma ramificação divina, uma que veio do céu e cresceu em cima de uma árvore que brotou da terra. Nimrod, o Deus da natureza, era simbolizado por uma grande árvore, mas tendo sido cortado e morto em seu talo, ele agora estava simbolizado como um toco de árvore sem ramos, chamado de Tora de Yule. Em seguida, a grande serpente veio e envolveu-se em torno de Nimrod (o toco). Milagrosamente, uma nova árvore apareceu do lado do toco, que simbolizava ressurreição e vitória de Nimrod sobre a morte. Aqui está uma ilustração de uma moeda da antiga Éfeso:

Baal-Berith era conhecido também como “Senhor da Aliança” e como “O Deus Berith”. Ele era um Deus popular e era adorado na terra de Canaã, terra dos filisteus, e Siquém. Ele era o protetor da aliança entre Siquém e algumas cidades cananeias vizinhas, que eram originalmente independentes, mas foram subjugadas pelos hebreus com o tempo.

“Quaisquer israelitas que possam morar em Siquém seriam simplesmente estranhos, e não partes de uma aliança. O Templo de Baal-Berith tinha um tesouro do qual os cidadãos fizeram uma contribuição para Abimeleque. Foi lá que Gaal veio pela primeira vez para como um líder da rebelião, e dentro do seu recinto os habitantes da torre de Siquém (a acrópole) encontraram um refúgio temporário de Abimeleque no fim da revolta.” ³

“Baal-Berith também era conhecido como Deus da Comunidade.”

Abaixo estão fotografias das ruínas do antigo templo de Baal-Berith:


As ruínas do Templo de Baal-Berith são uma plataforma arredondada, cheia de terra onde ficava um enorme templo. Datada do século 13/12 aC, media 26m de comprimento e 23m de largura e as suas paredes tinham de cerca de 6m de espessura. “Os arqueólogos acreditam que era um prédio de dois andares.”

Ele tinha uma entrada ao leste, no meio da qual havia uma coluna para apoiar um telhado e de cada lado da entrada havia uma torre maciça. A torre leste incluía uma escada que poderia levar para o segundo andar. Dentro do salão principal havia duas fileiras de colunas. Na plataforma semi-circular na frente do templo, foi encontrada parte de um pilar sagrado ou de pedra fundamental (vista no lado direito da foto acima), arqueólogos acreditam que marcava a entrada do templo.


¹ “The Two Babylons”, por Alexander Hislop, 1858

² Encyclopedia Biblica: A Critical Dictionary of the Literary Political and Religious History the Archeology Geography and Natural History of the Bible, ©1899
³ O mesmo.

Ilustrações Retiradas de “The Two Babylons”, por Alexander Hislop, 1858

VOLTAR PARA TUDO SOBRE OS DEUSES